Casamento homossexual em New York e a previsão do Tarô de Etteilla

Por Ricardo Pereira

1 Contextualização do caso

No dia 14 de junho de 2011, a Câmara Estadual de New York, nos Estados Unidos, aprovou por 80 votos a favor e 63 contra a “Marriage Equality Act” (Lei de Igualdade de Matrimônio), do governador desse estado, Andrew Cuomo.

A câmara, de maioria democrata, não teve muito trabalho e nem teve que lidar com grandes divergências para aprovar a lei, ficando para o senado, de maioria republicana, bater o martelo final.

A sessão para votação da lei no senado foi marcada para o dia 16 de junho, quinta-feira, mas não ocorreu como previsto, sendo adiada para a segunda-feira dia 20 de junho de 2011. Nesse dia também não foi discutida  nem lançada na sessão legislativa tal pauta e os rumores que corriam no estado era que os republicanos seguravam a votação do tema devido as muitas dúvidas de alguns senadores, inclusive muitos deles fazendo campanha contra a matéria.

Esperou-se que fosse votada no dia 22 ou 23 de junho, uma terça e uma quarta-feira, mas também não foi nessas datas devido a inserção de emendas, por imposição dos republicanos, na referida Lei de Igualdade de Matrimônio.

Depois de vários adiamentos, o Senado de Nova York aprovou na noite de sexta-feira, dia 24 de junho de 2011, o casamento entre pessoas do mesmo sexo no estado, em uma histórica votação ao final de intenso debate sobre o tema.

A denominada “Lei de Igualdade Matrimonial” foi aprovada, segundo o Jornal do Brasil do dia 25 de  junho de 2011, por 33 votos contra 29, após o projeto original ter sofrido várias modificações, permitindo a todos os casais homoafetivos unirem-se legalmente em New York, excluindo o texto atual que impõe a restrição de casais formados apenas por um homem e uma mulher. A lei aprovada reconhece as uniões entre pessoas do mesmo sexo e estende a estes os mesmos direitos concedidos a casais heterossexuais.

Com a aprovação da lei, New York soma-se aos estados de Iowa, New Hapmshire, Massachusetts, Connecticut e Vermont, e ao Distrito de Columbia (Washington DC) na permissão do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

2 Análise taromântica do caso por meio do tarô de Etteilla

No dia 15 de junho de 2011 fiz uma consulta ao tarô utilizando-me do tarô “Grande Etteilla”, publicado no Brasil, pela editora Madras, em 2010 no sentido de verificar se tal lei seria aprovada no senado de New York.

Efetivei a análise taromântica do caso por meio do Peladan, lançando mão do método Americano, ou seja, embaralhando todas as cartas juntas em um só monte e dispondo um arcano maior ou menor, apenas, por casa do método de leitura, levando em consideração os arcanos que por ventura surgissem invertidos.

Há pouco mais de dois meses venho estudando esse tarô Grande Etteilla, obtendo resultados de previsão taromântica bem precisos, utilizando-me dos atributos ou significados disponíveis no livro da Madras para as interpretações dos arcanos tanto em posições “normal” e invertidas e dentro de uma coerência e sem efetivar rearranjos simbólicos, somei outros atributos aos arcanos contemplados nessa consulta.

A pergunta, no plano material, foi elaborada com o seguinte enunciado: “a lei do casamento de homossexuais, em New York, será aprovada pelo senado?”

Nas casas do método Peladan surgiram os arcanos:

Casa 1 – Positivo/favorável/presente 


Arcano menor da corte de número 37 – Rainha de Copas (em posição normal)

Esse arcano menor da corte, Rainha de Copas, em posição normal denota a existência ou prenúncio de algum tipo ajuda ou de favorecimento no âmbito das relações afetivas em sentido amplo; significa, portanto, favorecimento em alianças no plano material.

Desse modo, interpretei aqui nessa casa 1, a qual trata do assunto analisado no momento presente, que esse menor estava denotando que a lei em análise já se encontrava, no momento da consulta, favorável à causa homossexual de New York, em sua assembléia de deputados.

Casa 2 – Negativo/desfavorável/presente

Arcano menor de número  70 – 8 de Ouros (em posição invertida)


Esse arcano menor, no livro da Madras, em posição normal sugere a presença de uma mulher carinhosa em dado contexto, mas em posição invertida, como surgiu nessa consulta, denota desgastes, relações com ou entre pessoas falsas, hipócritas. 

No contexto analisado, observei que os aspectos desfavoráveis a essa causa seriam as divergências de opiniões entre sociedade nova iorquina, os senadores republicanos e os democratas, causando desgastes, enfraquecimentos de posturas e posicionamentos entre senadores aliados, colocando em risco a futura aprovação legal do casamento homossexual em New York.

Casa 3 – Caminho/ocorrência dos fatos/futuro
Arcano maior de número 8 – Repouso  (em posição normal)

Esse um  arcano maior que denota adiamentos, atraso e imobilidade em posição normal. É um arcano lento e que pode representar aquilo que foi perguntado pelo consulente ou pode representar o próprio consulente.

No livro da Madras significa intuição, amor platônico, discrição, parada e repouso em posição normal.


Esse arcano maior fora denominado por Etteilla de “repouso”, para denotar, acredito, que algo ou alguém precisa ou deverá dar uma parada, necessitando, assim, de uma atitude prudente para que, no tempo certo, seja levado adiante pelos interessados em alcançar um objetivo material.

No contexto da questão, ele previu, pelo caminho, após a aprovação da lei pelos deputados de New York, adiamentos à votação quando a causa chegasse no Senado, o que de fato ocorreu, mas não negando um resultado positivo, portanto, denotou, que somente após uma parada necessária, a aprovação da Lei de Igualdade Matrimonial poderia tornar-se uma realidade.

Casa 4 – Resultado/futuro

Arcano maior de número 21 – Carruagem ou Déspota ou Tirano Africano (em posição normal)

Esse é um arcano que denota, em posição normal, discórdia, divergência e imutabilidade conforme o livro da Madras.

Nesse caso analisado seria algo como se fosse haver uma espécie de “batalha tirânica” envolvendo causas opostas; por um lado a luta em favor da moral e da manutenção de padrões socias tradicionais,  opressores e do outro a liberdade e a justiça.

Como no tarô temos que analisar o todo e somente uma casa não  pode determinar uma previsão, apostei, tendo em vista a dinâmica iconográfica do próprio arcano,  que embora ele denotasse discórdia e divergências, essas poderiam, realmente, causar rupturas.

Desse modo, interpretei que essa briga de interesses poderia também apontar à possibilidade de ruptura com as conveções, com laços que pareciam indissolúveis, portanto, previ, com base no comportamento do tarô em todo o Peladan, que seria  possível, sim, a aprovação de tal lei pelo Senado de New York, favorencendo, assim, aos seus homossexuais.

Casa 5 – Síntese/confirmação do resultado

Arcano menor de número  de número 60 – 4 de Espadas (em posição invertida)

Esse arcano no livro da Madras fala de solidão e invertido destaca que alguém está juntando dinheiro com vistas a gastos futuros.

Por outro lado, raciocinei, se esse arcano menor em posição “normal” denota um estado de solidão, invertido ele pode sugerir também “companhia”, “parceria”, ou seja, ele estava confirmando com precisão, nessa casa de síntese, que a aspiração, da comunidade homossexual de New York, de aprovação da Lei de Igualdade Matrimonial seria alcançada, ratificando-se, também, nessa casa 5, as previsões em destaque nas casas 3 e 4.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

O LIVRO de thoth: tarô de Eteilla. Trad. Alexandre Trigo. São Paulo: Madras, 2011.

SENADO de Nova York aprova casamento gay. Jornal do Brasil, 25 de junho de 2011. Disponível em: http://www.jb.com.br/internacional/noticias/2011/06/25/senado-de-nova-york-aprova-casamento-gay/ . Acesso em: 26 junho de 2001.

Licença Creative Commons
A obra Casamento homossexual em New York e a previsão do Tarô de Etteilla, de Ricardo Pereira, foi licenciada com uma Licença Creative Commons – Atribuição – Uso Não Comercial – Obras Derivadas Proibidas 3.0 Brasil.
Com base na obra disponível em www.substractumtarot.com.

2 comments

Comments are closed.