O tarô pregando peças: quando um arcano infausto determina o resultado

Por Ricardo Pereira
Em janeiro de 2012 atendi um amigo, o qual já fez curso de tarô comigo, que passava por um desafio profissional e legal.

O Carro e 10 de Espadas
Tarot of Dreams, By Ciro Marcheti (2006)

Ele decidiu no começo do ano corrente processar a empresa na qual ele atua profissionalmente por desvido de função, ou seja, ele fora contratado para exercer um cargo e por imposição de liderança passou a efetivar atividades atribuídas à outra função.

A audiência de primeira instância já foi realizada e já saiu o resultado do julgamento. É esse caso que irei narrar para você, caro leitor, a partir de agora.

Por uma questão ética, decidi preservar a identidade dele e a razão social da empresa em que ele trabalha. Nesse artigo, passei a chamá-lo de “Peter Presley” e a empresa de “Agência Abacaxi”.

Com a sua leitura desse artigo, você passará a entender todo o contexto, situação e resultado analisado taromanticamente.

Observe, que a análise da tiragem inicial é efetivada por Peter Presley e que ele usa o método Peladan, com o método Europeu (arcano maior e menor, por casa) como destaca o diálogo abaixo:

“Oi meu caro amigo Ricardo, tudo bem? Desde ontem que aqui está fazendo um sol e um calor que me fez até lembrar de Fortaleza!

Então, estou precisando de um ‘pitaco’ seu num jogo que é bem importante pra mim. Queria que você desse uma olhadinha pois estou me embaraçando no final. Desde já fico imensamente agradecido!

Situação: Estou processando a empresa na qual atualmente trabalho (Agência Abacaxi), em uma causa trabalhista (Desvio de Função) e caso eu ganhe, haverá um enorme impacto nos cargos e salários de toda a empresa em nível nacional. A última audiência da 1ª instância será daqui a uma semana.

Pergunta: Como se finalizará o processo na 1ª instância?

Casa 1) A Lua + 2 de Paus (Prós. O que está positivo)

É um processo complicado, onde há muita incerteza e subjetividade. Não é algo prescrito na Lei, portanto a condução não é clara e dependerá de uma decisão por parte do Juíz.

Casa 2) A Força + 6 de paus (Contras. O que está negativo. Ler com significados arcanos negados)

Apesar da extensão das consequências, não procuro ser referência ou ganhar visibilidade através deste processo … O que procuro é mais interno.

Casa 3) O Enforcado + Valete de Ouros (Caminho)

O processo é moroso, há uma certa demora do judiciário para resolver estas questões, porém não há outra forma de se conseguir o que quero.

Casa 4) O Carro + 10 de Espadas (Resultante)

Aqui que me embaraço com o 10 de espadas. Na primeira olhada, eu pensei que perderia o processo e ele finalizaria aqui na primeira instância… Meu carro no precipício! Mas, então reparei:

a) O Valete de Ouros da casa anterior
b) O carro
c) Arcano Oculto: O Sol
Aí me veio aquela pergunta: ‘O 10 de espadas é a dor do fim ou o fim da dor?’

Talvez ele estivesse representando aqui o fim de todos os conflitos que houveram por causa deste processo, da angústia, pressão por parte da empresa, enfim, de toda a situacão ruim e retaliacão! O O Carro com minha vontade imperativa e o O Sol, resumindo o futuro!

5) A sacerdotiza + 4 de copas (Como vejo a questão ou o sua situação)

No começo estava empolgado, mas agora essa empolgação realmente passou, estou mais instrospectivo quanto a isso!

O que você acha amigo? Quero estar preparado no dia, psicologicamente falando!

Obrigadooooo!

Abraços!” (Peter Presley, 17 de Janeiro, 2012).

Minha resposta para Peter Presley:

“Peter, o O Carro na resultante com um 10 de Espadas, significa ‘ganhos parciais’, coisas do tipo ‘a semente foi plantada’.

Com esse O Pendurado + Pajem de Ouros na casa 3 não prevejo ganho de causa no caminho, mas a oportunidade de a Justiça do Trabalho ter uma nova visão desse tipo de circustância levada à decisão judicial por você.

Essa causa não é fácil, pois não possue amparo legal, devendo ser uma causa perdida com possibilidade de retomada no futuro, ou seja, possivelmente você virá a recorrer do resultado que não lhe será favorável …

No máximo a Agência Abacaxi levará uma advertência do juíz no sentido de seguir o seu plano funcional ou de cargos à risca! …” (Ricardo Pereira, 17 de janeiro, 2012).

Observem, que eu prevejo perda de causa, evidentemente, na casa 3 do Peladan: O Pendurado e Pajem de Ouros! Além de perceber logo de cara que a combinação arcânica na casa 4 do Peladan (Resultante), O Carro mais 10 de Espadas, não possui força de realização e de conclusão, pois o O Carro, mesmo sendo um arcano maior FAUSTO, seria retraído pelo arcano menor INFAUSTO,  10 de Espadas.

10 de Espadas
Pictorial Tarot, by David Corsi, 2007

Sempre associei e associo o infausto 10 de Espadas com o arcano maior A Torre. O seu poder de negação de realização de desejos ou de alcance de objetivos é tão contundente quanto o desse maior, por isso é importante, também, ter esse aspecto considerado no momento de se analisar taromanticamente um caso.

Não é a primeira vez que analiso questões com o tarô cuja consulta se destaca por esse tipo de ocorrência de atuação arcânica, na qual o arcano maior O Carro, principalmente, perde a sua força de presságio realizador para um arcano menor infausto. Tenho vários outros exemplos dessa monta com esse maior, inclusive no âmbito sentimental.

Notem, que eu não teci nenhum comentário sobre o fato de Peter também ter se utilizado da “técnica de arcanos ocultos”. Evidentemente, não considero essa técncia relevante em taromancia, principalmente porque os arcanos atuantes na tiragem, por si mesmos, irão determinar de modo efetivo os resultados, dispensando tal procedimento, fato esse que se confirma, para mim mais uma vez, por meio dessa consulta de Peter ao tarô, com a qual contribui com a minha interpretação.

Resposta de Peter Presley pra mim, após a minha análise e interpretação:

“Ai ai viu Ricardo! Acho que estou cheio de esperanças com isso! Vamos ver no que vai dar! O que vier será de bom grado… Claro que não gostaria de perder, mas nao vou ficar tão chateado se tiver que ser assim! Obrigadoooo! Abcs” (Peter Presley, 17 de Janeiro, 2012).

Minha resposta para Peter Presley:

“Espero que tudo ocorra como deseja! Boa sorte! Abração querido amigo!” (Ricardo Pereira, 17 de janeiro, 2012).

Arcanos que sairam na consulta de Peter Presley
Tarot of Dreams, by Ciro Marcheti (2006)
Casas do Peladan (vide no texto acima interpretação de Peter Presley)
Disposição das Casas
3
1 5 2
4

Embora desejasse efetiva e com sinceridade que o meu amigo/cliente tivesse realmente ganho de causa, sabia, tinha certeza, com base no tarô, que ele não o obteria!

O tempo foi passando e não tive mais nenhuma notícia desse caso. Resolvi, então, escrever uma mensagem por Facebook pra ele:

“E ai Peter Presley! Já houve a audiência?” (Ricardo Pereira, 28 de janeiro, 2012).

Resposta de Peter Presley pra mim:

“Oiiii…tudo bem? Houve a audiência sim, mas o juiz só vai dar o julgamento na terça-feira… Vou te dar o feedback do caso. Vamos ver o que vai dar, né?…Tô super-ansioso. Obrigado. Abcs!” (Peter Presley, 28 de janeiro, 2012).

Ora, se Peter estava ansioso, imaginem esse tarólogo que vos escreve!

Em 1º de Fevereiro de 2012, Peter Presley me envia o seguinte feedback:

“Boa tarde meu caro, tudo bem?

Meu advogado está quase dando um infarto. O juiz não reconheceu o desvio de funcão e não se pronunciou quanto a 3 (três) outros pedidos meus. O relatório do julgamento só tem dois paragrafos e nem se deu ao trabalho de argumentar. O que ficou parecendo mesmo e que ele nem leu direito o processo, pois o caso não é simples e demandaria uma análise criteriosa. Bem, agora é partir para o recurso! Abraço.” (Peter Presley, 1º de Fevereiro, 2012).

Minha resposta para Peter Presley:

“Oi Peter,

O tarô foi bem preciso! Deverá recorrer sim. Tem todo o direito! Torço para que tudo dê certo, meu querido amigo!

Gostaria que me permitisse a escrever um artigo com esse seu caso para publicar em meu BLOG. Garanto-lhe a preservação de seu nome e de sua imagem e, claro, a de sua instituição de trabalho. O que me diz?” (Ricardo Pereira, 1º de Fevereiro, 2012).

 Resposta de Peter Presley pra mim:
“Claro, sinta-se a vontade! Caso precise de mais detalhes e só me perguntar. Sempre certeiro, hem meu amigo!?

Meu advogado vai entrar agora com um instrumento para fazer o juiz se pronunciar quanto aos outros pedidos, mas de qualquer forma vai entrar com recurso. Ele diz que o juiz nao quis ter responsabilidade sobre essa decisão porque o impacto dela é muito grande! Abraços querido!” (Peter Presley, 1º de Fevereiro, 2012).

O Carro
Pictorial Tarot, by David Corsi, 2007

É importante mencionar, que o arcano maior O Carro, pelo menos em boa parte da literatura em tarô, é traduzido como um arcano de bom augúrio, que garante ocorrências realizadoras no futuro; e, é exatamente assim que nos é ensinado na maioria dos cursos de tarô ofertados no mercado. Que ele atua desse modo em taromancia, é verdade, mas, cada caso é um caso, e esses dependem de alguns aspectos técnicos e aplicabilidades que não podem ser negligenciados pelos tarólogos durante uma consulta ao tarô, claro! …

O que me encanta realmente no tarô é a sua efetividade em meio às inúmeras possibilidades de previsão, correta, fantasiosa ou equivocada, que por ventura venham à cabeça do tarólogo.

Nesse contexto, considero que o tarô está pregando peças no tarólogo exatamente quando ele faz surgir em uma consulta, como nesse artigo, um arcano maior O Carro, o qual, pelo menos aparentemente, poderá determinar um resultado positivo para o cliente, só que, na prática, quem determina a realidade é o arcano menor que o acompanha, seja ele infausto, ou não. Isto é, quando ele faz a  aparência de uma mensagem arcânica ser totalmente antagônica à realidade que está sendo efetivamente, aos olhos do tarólogo, vista e prevista como “positiva” ou “negativa”, ocultando, por assim dizer, o verdadeiro resultado ou a realidade  que virá a se apresentar para o consulente.

Desse modo, estar atento às minúncias de atuação de cada arcano em uma tiragem, seja ele maior ou menor, é fundamental no momento da análise taromântica, pois minimizará, sobremaneira, o índice de erros.

O tarô é muito direto em suas respostas, independendo do quanto o tarólogo devaneia, a seu respeito em uma consulta, atribuindo-lhe, inclusive, significados aos seus arcanos que não estão associados ao seu cabedal simbólico.

Saber empregar com proficiência em taromancia o poder de resposta dos arcanos exige técnica e conhecimento. Nesse sentido, utilizo com efetividade uma espécie de pronoia ou previsão racional, como referido por Jullien (1998), que somada à experiência pode evitar o engano na interpretação das cartas e, consequentemente, uma possível decepção do cliente devido a uma expectativa frustrada, resultante de uma previsão equivocada do tarólogo, ou seja,  do destaque para o cliente da possibilidade de algo se realizar conforme o desejado, certamente sem sintonia com a verdeira mensagem arcânica.

Evitar esse tipo de prática e de ocorrência devem ser as metas necessariamente alcançadas por todo oraculista em suas rotinas de trabalho, aspecto esse que não nos deixa de fora, enquanto tarólogos que somos, evidentemente e que, devido a isso, temos como condição sine qua non o investimento em estudo, sem o qual se torna ineficiente o exercício prático da profissão.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

JULLIEN, François. Tratado da eficácia. São Paulo: 34 editora, 1998.
   

One comment

  1. BH TARÔ says:

    Ricardo que belo artigo, adoro ler casos pois me traz um enorme aprendizado e ler o que você escreve é um bálsamo pra minha alma. Sua inteligência e sensibilidade são admiráveis! Obrigada por compartilhar! Sucesso, bjs. Beth.

Comments are closed.