Tarô, orgulho e preconceito

Por Ricardo Pereira
Ás de Copas
Jane Austen Tarot (2006)
By Diane Wilkes e Lola Airaghi
O fato é que Maria Antonia apaixonou-se por João Cândido.
Durante a consulta de minha consulente ao tarô separei os dezesseis arcanos menores da corte a fim de que ela puxasse aleatoriamente do maço aqueles que representariam o casal em termos de características pessoais, temperamentos, personalidades etc, e também aqueles que representassem as figuras mais importantes envolvidas em sua história de amor.

Desse modo, Maria Antonia, para representar a si mesma, puxou a romântica, sonhadora e misteriosa Rainha de Copas, a qual segundo ela, realmente apresenta detalhes de comportamento e de temperamento, bem sutís, e que muito bem lhe cabem.

Para representar João Cândido, Maria Antonia acabou puxando do maço o “D. Juan” do tarô, o sedutor, romântico e desprendido, Cavaleiro de Copas, o qual, conforme ela destacou, é cópia fiel do seu amado, tanto em termos comportamentais, quanto na expressão de sua personalidade.

Conheceram-se, no dia 08 de agosto de 2011, no casamento de Ivens e Glorinha, desde longas datas, amigos dos dois.

Cavaleiro de Copas, representa João Cândido
Rainha de Copas, representa Maria Antonia
Jane Austen Tarot (2006)
By Diane Wilkes e Lola Airaghi

Segundo a minha consulente, de lá para cá, eles não mais se desgrudaram, chamando bastante a atenção de familiares, amigos e também de outras partes, as quais estão demasiadamente interessadas no desenrolar dessa tão recente e incerta história de amor, prenunciada por um 2 de Copas.

2 de Copas
Jane Austen Tarot (2006)
By Diane Wilkes e Lola Airaghi
O 2 de Copas, geralmente denota inícios de histórias de amor.
É o amor verdadeiro, que brota e se desenvolve com o passar
dos tempos…

Bem, Maria Antonia me declarou que João Cândido, talvez ainda entusiasmado com a festa de casamento dos amigos, vem lhe propondo se casarem, pois, como ele mesmo afirma, “nasceram um para o outro, …”

Tal ímpeto de João Cândido em ficar noivo, logo despertou a má vontade, por parte da mãe dele, –  que foi, quando Maria Antonia puxou a lâmina do monte de arcanos da corte, representada pelo convencional, racional,  manipulador e frio Rei de Espadas -, em aceitá-la como nora.

De fato, segundo a minha consulente, esse Rei de Espadas seria, no dizer dela, uma espécie de “clone” da senhora Anastácia, sua futura sogra, principalmente por sua demonstração constante de irascibilidade, insolência e acidez nas palavras e comportamentos.

Rei de Espadas
Giotto Tarot (2000)
By Guido Zibordi Marchesi
Jane Austen Tarot (2006)
By Diane Wilkes e Lola Airaghi

Ora, se como namorada do filho Anastácia já lhe dedicava o desprezo, imaginem como sua esposa e, consequentemente, sua nora! De fato, segundo o tarô, Anastácia dificilmente iria admitir e aceitar tal realidade, principalmente porque planejava um outro futuro para o filho, com uma pretendente tradicionalmente abastada e de pura linhagem familiar.

Minha consulente está certa de que a senhora Anastácia, progenitora de João Cândido, não lhe será tarefa fácil, nessa história de amor inicialmente vulnerável, durante o desafio de romper com as atuais barreiras do seu orgulho e preconceito.

Conforme destacado por Maria Antonia, os motivos de tal ojeriza de sua futura sogra são bem variados, mas o principal deles é a evidente diferença de classes sociais, a qual, torna-lhe, no julgamento da mãe dele (Rei de Espadas), de parentes e amigos do seu convívio familiar, socialmente “inferior”; assim mesmo, algo que pode muito bem ser associado aos enredos e objetos de narrativas destacados no romance “Orgulho e Preconceito”,  da escritora britânica Jane Austen (1775- 1817).

Capa do Mangá de “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen
By Editora Ohzora, (2009) http://www.ohzora.co.jp/sp/rc/

João Cândido pertence a uma família “ilustre”, por parte de pai e de mãe. É herdeiro de uma vasta fortuna, possuindo portanto, no dizer dela, ótimo pedigree, enquanto, que ela, “coitada”, “não passaria de uma arraia-miúda”.

Decerto, Maria Antonia é uma presa fácil para os preconceitos e as convenções sociais sustentados por valores mesquinhos, que se legitimam por uma espécie de cultura provinciana que valoriza o poder das posses e a ostentação de uma linhagem familiar enaltecida por sobrenomes.

Ilustração de “Orgulho e Preconceito”, publicada em 1833
por Richard Bentley.
Nessa imagem vemos Elizabeth sendo confrontada por lady Catherine,
que lhe fala sobre Mr. Darcy.
In: http://pt.wikipedia.org/wiki/Orgulho_e_Preconceito

De todo modo, esse preconceito vem, segundo a minha consulente, gerando todos os tipos de especulações, conspirações e animosidades, minando-lhes o relacionamento, embora ela tenha certeza que o guapo não esteja “nem aí” para o que lhe parece, nesse caso, antogônico, comportando-se como se nada e nem ninguém pudesse interferir nessa relação afetiva,  devotando-lhe, desde sempre, o seu puro amor, sentimento genuinamente incondicional, tendo inclusive comunicado às famílias a realização do jantar que selará o seu noivado, ainda sem data marcada.

Interessante, que na obra literária “Orgulho e Preconceito”, Mr. Darcy ao declarar o seu amor para Elizabeth, aponta-lhe com clareza as diferenças que, ao mesmo tempo, une-os e os separa, leiam:

“- Tenho lutado em vão e já não posso mais aguentar. Os últimos meses têm sido um tormento. Vim a Rosings somente para vê-la.  Lutei contra o bom senso, a expectativa da minha família, a inferioridade de seu berço, minha posição.  Esquecerei tudo e pedirei que dê fim a minha agonia.
– Não entendo.
– Eu a amo…  Ardentemente …”

Naturalmente, Maria Antonia teme passar por algum tipo de situação na qual João Cândido precise, em meio a uma cena ornamentada pela lâmina maior do tarô, Os Enamorados, como pano de fundo, optar por continuar com ela ou por atender aos caprichos preconceituosos de sua futura sogra, a quem, obviamente, o guapo devota profundo amor filial e respeito.

Os Enamorados e 7 de Ouros
Jane Austen Tarot (2006)
By Diane Wilkes e Lola Airaghi

Nesse sentido, o tarô confirmou, em casa de presente, com o maior Os Enamorados, que, realmente, ela já está frente a esse risco e o 7 de Ouros, prenunciou, em casa de futuro, que o casal passará, muito em breve, por um teste de resistência.

Sendo assim, caríssimo leitor, em meio ao orgulho e ao preconceito, que vença o AMOR!

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

AUSTEN, Jane. Orgulho e preconceito. São Paulo: Martin Claret, 2006.