Café, música e romance

Por Ricardo Pereira

Café inspira, podendo produzir letras, filosofia, arte, poesia, música, cinema, um bom bate-papo, romance, história e mais romance. Garante a energia extra para as horas de pesada labuta e, de outro modo, assim como a boa música ainda torna agradável o encontro de almas afins nos mais charmosos cafés, em quase todos os lugares do mundo.

conservatory-1031494

Participe do grupo do Sibila da Antevisão no Facebook

Imortalizado ele foi, ele é, não importa que seja o ator principal ou coadjuvante, ou que o termo que lhe dá o seu nome surja casualmente na capa ou no meio das palavras do mais intrincado jogo de versos de um insondável livro de poemas.

Prefiro café do que chá. Sim, eu tenho um vício. Como diria Mário Quintana: “O café é mais intelectual- o chá, mais espiritual”.

Moças do Café

“Senhoras tomando café”

In: https://br.pinterest.com/pin/141300507029780784/

Trágico em cena o café surge nas letras de Dom Casmurro: “[…] Bento decidiu beber o veneno junto ao seu café. Antes disso, resolveu ler um filósofo grego, assim como outros personagens históricos fizeram antes do suicídio. […] Quando chegou o café, guardou o livro e despejou o veneno na xícara. Pensou que seria melhor esperar que Capitu e o filho saíssem para missa. Nisso surgiu o garoto, abraçando suas pernas e gritando ‘Papai, papai!’”.

Cômico, ele aparece até em piadas sobre açúcar:

“Um senhor chegou ao botequim e perguntou:
-Quanto custa um café, por favor?
A moça respondeu:
-O café é um Real.
-E o açúcar? – perguntou o homem.
-O açúcar é de graça – disse a moça.
-Ótimo,- concluiu o homem – então me vê três quilos.”

É possível que ele, o café, pressagie a iminência de romances, seja, por exemplo, por meio da antiga prática de leitura oracular da borra de café ou através do novo oráculo de cartas Sibila da Antevisão.

19---Café

Participe do grupo do Sibila da Antevisão no Facebook

No Sibila da Antevisão, a simples combinação das cartas Café mais Vitrola  sugere o indício de um romance, que pode começar, como em um enredo de uma estória literária. Tudo começa com uma ingênua paquera com o amigo do amigo no café da esquina (carta Café) durante o horário do almoço de trabalho. Na cena seguinte, uma conversa e logo em seguida a senhorita pode receber um sutil convite para uma noitada de festa e de diversão regados à boa música em casa de amigos do amigo do amigo (Carta Vitrola). Caso no meio dessa combinação de cartas venha a surgir a carta Mão com Tulipas, é possível que, em um dia qualquer, a moça ainda corra o risco de ser contemplada, – talvez, no escurinho de um cinema desses que existem por ai, ou até mesmo na sala de estar de casa -, com uma efusiva declaração de amor  do amigo do amigo, que encontrara e paquerara ao saborear um delicioso cappuccino no café da esquina. Sendo assim, o que fora indicado em previsão oracular, tornar-se-ia, então, a mais pura manifestação do desejo: a moça agora tem um namorado “hipnoticamente” apaixonado.

VitrolaCaféMãoulipas

Participe do grupo do Sibila da Antevisão no Facebook

Quantos romances não foram previstos e começaram ou se iniciam como esse, com o cupido se manifestando, inusitadamente, na forma de uma deliciosa xícara de café?

O café é assim, um edificador de histórias e estórias. Sempre é companheiro nos momentos de cruel solidão. Parceiro agradável em mesa de amigos. É símbolo e título de carta de oráculo. Doce ou amargo, desperta os sentidos e ainda,  meu caro leitor, atrai o amor. O amor, – como disse uma vez Pablo Neruda em entrevista à Clarice Lispector – é o amor.

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

Machado de Assis. Dom Casmurro. Capítulo 136: A xícara de café.

PABLO Neruda: entrevistado por Clarice Lispector. Disponível em: http://www.elfikurten.com.br/2012/12/clarice-lispector-entrevista-pablo.html

QUINTANA, Mario. Da preguiça como método de trabalho, 1987.

Participe do grupo do Sibila da Antevisão no Facebook